Case BAYER-OBLIQ

Transformação Organizacional na Bayer-Obliq

vendas
experience
objetivos
squads
bayer+dti

A Bayer é uma empresa com mais de 150 anos no mercado, e seu nome já é consolidado em todo o globo. Então,

por que propor mudanças em algo que, aparentemente, já está funcionando muito bem?

Bayer + dti
Confira um pouco mais dessa trajetória de sucesso no episódio dos agilistas ao lado!
As dinâmicas que guiavam o mercado há 10 anos atrás são completamente diferentes das dinâmicas atuais. Hoje,

focar-se nos feedbacks dos clientes e, com base nisso, reagir de forma ágil é uma necessidade

até em setores tradicionais como o químico e agrícola, onde a Bayer se encontra. Ninguém está imune às mudanças, nem mesmo os grandes players do mercado.

Feedbacks
Foi com esse pensamento em mente que Marcelo Segalla, diretor de Desenvolvimento de Mercado, na área de agricultura da Bayer, nos procurou. Ele e seu time apresentavam uma peculiaridade:

eles não vendem um produto específico, mas sim conhecimento.

vendas de valor >>

São “vendas de valor”, que envolvem levar os posicionamentos técnicos, por meio de treinamentos e plataformas de conteúdo, aos mais diversos modos de acesso ao mercado. Por exemplo, eles são responsáveis por levar capacitações técnicas sobre novos produtos, como uma nova variedade de soja, aos representantes comerciais, influenciadores e agricultores.
Vendas de valor
A experiência do cliente ganhou mais relevância quando esses treinamentos, até então realizados apenas presencialmente, passaram a ser veiculados também de forma digital e remota. Diante disso, o time

conseguiu atingir pessoas que não estavam disponíveis para as capacitações “face a face”.

Como fazer com que a geração de valor totalmente focada no cliente se espalhe por todos os processos da equipe? É aí que a dti entra.

primeiro contato >>

Em nosso primeiro contato com a Bayer, foi diagnosticado que a maior necessidade não era um software ou o desenvolvimento de um sistema. A tecnologia eles já tinham, o desafio era utilizá-la a fim de otimizar a experiência do público.

experiência do público
Portanto, a abordagem consultiva da Obliq se mostrou ideal nesse contexto: por meio de um novo formato de trabalho, seria possível habilitar os times para

atuarem de maneira ágil e customer centric,

criando uma cultura de aprendizado e experimentação a partir dos feedbacks recebidos.
O desafio central da equipe era claro:

impulsionar o aprendizado do cliente através da proposta de valor e prover feedback valioso

para as outras governanças, ou equipes, da Bayer.
Impulsionar o aprendizado

o mvp >>

O próximo passo, então, foi determinar o Liminal Space que receberia o projeto piloto: seguindo a sugestão do Segalla, optamos por implementar a Obliq em um time que já se estruturava como squad e, portanto, se mostrava mais receptivo a esse processo de mudança.
O time multidisciplinar passou, então, 3 dias de treinamento na dti, quando lhes introduzimos aos conceitos, princípios e práticas da metodologia ágil.

Além disso, foi elaborada uma dinâmica que proporcionou uma visão sistêmica daquele squad, o que permitiu definir um

formato de trabalho ágil específico para o contexto deles.

o mvp
Uma vez alinhados quanto aos ritos ágeis, determinamos o primeiro objetivo para os 3 meses de piloto que se seguiriam:

definir e executar metodologias de captura e incorporação de feedback.

Apesar de relativamente simples, esse objetivo era desafiador o suficiente para motivar o time nessa primeira etapa da transformação.

No primeiro contato prático com o ágil, é importante que a empresa possa contar com o apoio de profissionais experientes no assunto, a fim de que o potencial do time e da organização seja aproveitado ao máximo. Por isso, durante esses 3 meses,

a equipe foi acompanhada de perto pelos profissionais da dti.

Como era uma fase ainda bem introdutória, processos como definição e organização de backlog e realização de One-on-One’s foram executados em conjunto.

Organização de backlog
Em apenas poucos meses, a parceria Bayer + dti já começou a dar grandes resultados: ainda durante o piloto, o squad

realizou 5 sprints e entregou 28 tarefas. Isso foi mais do que eles haviam produzido em 1 ano!

Experimentação é muito importante, e ela dá certo desde que você tenha

uma cultura onde o erro seja algo natural.

Marcelo Segalla, diretor de Desenvolvimento de Mercado, na área de agricultura da Bayer, em entrevista a Os Agilistas.

Ferramentas como tratativas de NPS foram incorporadas aos treinamentos, com o objetivo de

analisar o conteúdo absorvido pelos clientes e gerar insights sobre a experiência nessas capacitações.

Também foram implementadas sessões de entrevistas com o público, para cruzar as informações com os insights obtidos pelas pesquisas de opinião.
Gerar insights
Gradualmente, essas mudanças se tornaram rotina no time e, hoje,

não são vistas apenas como ritos isolados, mas como parte da cultura do squad.

stimulando essa transformação cultural em toda a organização. O case Bayer + dti não deixa dúvidas:

o kanban>>

Para além da equipe envolvida no projeto, o valor percebido pelas outras governanças em relação às mudanças também está se expandindo, resultando em uma grande rede de transformação. Uma prova disso é que, hoje, o kanban se popularizou entre os vários times da Bayer e se tornou instrumento essencial para a autogestão. Uma ferramenta relativamente simples, mas que já provocou uma notável otimização na organização e produtividade dos colaboradores.
inalizado o primeiro ciclo do projeto, o time já estava preparado para alcançar voos mais altos: definimos

OKRs ainda mais desafiadores e específicos,​

uma vez que o anterior havia sido completado com sucesso.
OKRs desafiadoras.
Cada membro do squad está levando esses conhecimentos para frente, para outros times dos quais também fazem parte. E, com isso,

o grupo está cada vez mais preparado para trabalhar de forma ágil por conta própria

uma vez que o anterior havia sido completado com sucesso.

para mudar, é preciso dar o primeiro passo.

A última fase da consultoria Obliq, e o grande objetivo do projeto, é a chamada Scaling. Nessa etapa, é esperado que

os conhecimentos obtidos pelo squad durante o piloto comecem a ser compartilhados por toda a organização.

Mas, obviamente, a mudança não para por aí. Muito pelo contrário: esse é o início de um novo capítulo da transformação!

primeiro contato >>

Em nosso primeiro contato com a Bayer, foi diagnosticado que a maior necessidade não era um software ou o desenvolvimento de um sistema. A tecnologia eles já tinham, o desafio era utilizá-la a fim de otimizar a experiência do público.
Compartilhar conhecimento

Entre em contato conosco e conheça outros cases!

Tá na dúvida?

[email protected]

R. Antônio de Albuquerque, 330 – 14° andar
Savassi, Belo Horizonte – MG, 30112-010