visualização de dados
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Visualização de dados: Como transmitir informações de forma eficaz

dti digital

dti digital

Um dos nossos colaboradores especializados!

Vivemos em um mundo em que a todo momento estamos, de forma voluntária ou não, produzindo e consumindo um volume gigantesco de dados.  Mas o que é feito com todo este volume de dados? Como a visualização de dados transforma um dado em informação relevante?

É inviável e ineficaz analisar caso a caso e de forma individual todos os dados que tomos hoje, e a fim de transformar os dados em informação, buscamos agregar e trazer pontos importantes que possam de fato dizer algo relevante sobre os dados de interesse.

E é neste ponto que a visualização de dados aparece como uma grande aliada. Ela surge como uma porta de entrada no processo de transformar dados em informação.  Seja em uma análise mais descritiva, ou em no intuito de explicar e avaliar modelos complicados, a visualização vem nos ajudando tanto a tornar mais clara e entendível a informação obtida quanto nos auxiliando no entendimento de conceitos mais complexos. 

Qual tipo de visualização de dados usar ?

Sabendo importância da visualização de dados, uma pergunta que surge naturalmente é sobre como fazê-la e qual tipo usar, afinal existem inúmeros gráficos, resumos e tabelas que poderiam ser utilizados. Existem algumas visualizações recomendadas de acordo com o tipo de dado a ser exibido, mas não há uma regra que determine a visualização a ser usada. Uma boa referência que pode ajudar nessa escolha é o site Data To Viz. Ele traz sugestões de tipos de gráficos a serem usados de acordo com o tipo de dados que temos, e referências de como fazê-los em diferentes linguagens.

O ponto principal na escolha do visual é o teste, temos diversos tipos de visuais que transmitem a mesma informação, e a melhor forma de ver como cada visual vai transmitir a informação é testando. Depois de muitos testes e experiência nesse processo, a escolha do gráfico vai ser tornando mais natural e fácil de ser feita.

Como montar uma visualização de dados eficaz:

Podemos montar diversos gráficos e tabelas que serão capazes de transmitir alguma informação. No entanto nem sempre a visualização criada transmite as informações de forma eficaz, causando confusões e dificuldade na absorção da informação passada.

Para que consigamos traduzir nossos dados em informação através da visualização de dados, podemos seguir algumas dicas que ajudam nesse processo.

Tenha um propósito definido e conheça o seu público.

A escolha do gráfico ou visual a ser usado é importante, mas antes de pensar nisso, devemos dar um passo atrás e pensar em duas questões ainda mais importantes: Qual o propósito daquela visualização e para quem ela será exibida.

Uma visualização feita com o intuito entender os dados, não precisa de tanto cuidado com a estética ou complexidade, basta que a pessoa entenda e se sinta confortável com os visuais que está trabalhando, no entanto após esse processo, quando os resultados forem ser repassados para outras pessoas, existe uma série de cuidados a serem tomados para que esta visualização transmita a informação de forma efetiva.

Um exemplo de como a visualização pode ser diferente de acordo com o público e propósito é no cenário de uma análise que tem como objetivo mostrar quais variáveis estão relacionadas com as outras. No ponto de vista da pessoa que está analisando os dados, ela vai estar interessada na distribuição de cada variável, na definição de qual coeficiente usar e em mais diversos, outros pontos. Um bom gráfico para o analista seria um correlograma, como o mostrado a seguir:

   visualização de dados - resultado da avaliação - programa de verão sobre ciências

O correlograma acima, traz diversas informações relevantes sobre o conjunto de dados em questão, com elas, é possível entender o comportamento das variáveis, avaliar se os coeficientes calculados são adequados e levantar hipóteses. Mas após essa análise e o cálculo adequado dos coeficientes, é necessário apresentar os resultados para as partes interessada, e muitas vezes estas pessoas não tem um conhecimento aprofundado de análise de dados, neste contexto a pessoa para a qual a análise seria apresentada tem interesse em saber quais variáveis tem uma correlação alta. O gráfico acima poderia confundir uma pessoa mais leiga no contexto de dados, por trazer muitas informações juntas. Neste caso um mapa de calor, de acordo com a correlação entre as variáveis, seria de mais fácil entendimento:

visualização de dados

No mapa de calor acima bastaria explicar para o público que as cores mais fortes indicam maiores correlações e que o vermelho indica negativo e azul positivo. Desta forma a informação está sendo passada de forma rápida e de fácil entendimento.

Por mais que os gráficos, tabelas ou indicadores a serem utilizados sejam importantes, eles são o ponto final da construção da visualização, os pontos essenciais para que ela seja efetiva são justamente entender o público e ter um objetivo. Não adianta criar um gráfico pequeno que interagem com vários outros se for para um painel a ser exibido numa televisão, por exemplo. Da mesma forma que se sabemos que o usuário irá ter um acesso mais direto a um relatório, podemos aproveitar as interações possíveis para otimizar espaço e agregar informações. Portanto, conhecer o público, onde aquela informação vai ser exibida e o que ela tem o objetivo de mostrar é o que vai guiar a construção e escolha dos gráficos e visuais.

Mostre a informação de forma óbvia.

  • Um ponto essencial para que a informação seja absorvida, é que ela esteja óbvia, nós sabemos o que queremos mostrar, não tem motivos para fazer com que as informações precisem de uma análise complexa e um grande tempo de interpretação para serem absorvidas. Quanto mais óbvia, melhor a informação será absorvida pelo público.

Se possível, use textos e anotações para focalizar a atenção.

  • Textos e anotações ajudam a focalizar a atenção no que queremos mostrar, podemos usar para explicar algum período de tempo, ou ação feita, para chamar a atenção em algum ponto específico da visualização, ou até mesmo a visualização pode ser um texto com a exibição de algum valor específico. Claro que essas adições devem ser feitas com bom senso, somente onde irá agregar valor ao entendimento da visualização.

Diminua a carga cognitiva.

  • Se o seu visual está com excesso de elementos, que muitas vezes são desnecessários para o entendimento, o público terá que absorver vários elementos até chegar no ponto em que entende a informação, toda essa carga pode fazer com o percamos a atenção no visual a ser mostrado. Portanto, é bom evitar uma carga cognitiva alta, e deixar o visual simples, textos e cores somente onde é necessário. Desta forma o visual terá um entendimento mais direto e conseguirá transmitir a informação.

Se preocupe com a aparência do visual.

  • Se a sua visualização está bonita, e bem elaborada ela tende a chamar e prender a atenção do público alvo, por outro lado se a visualização é feita de qualquer jeito, sem se preocupar com uma padronização de visuais e cores, ela passa a impressão de ter sido mal feita, e perde a atenção do usuário. A ideia neste ponto é pensar como um designer que se preocupa com todos os elementos de affordances, acessibilidade e estética.

Teste o visual que você está criando.

  • Uma boa tática para saber se a sua visualização está transmitindo a informação de forma efetiva, é mostrá-la para alguém, de preferência que não estava envolvido no processo de criação. Ao mostrar para outra pessoa e receber o feedback do que ela entendeu da visualização sem muitas explicações, conseguimos identificar se o que queremos transmitir está de fato sendo mostrado, ou até identificar pontos de melhoria.

Exemplo de visualização de dados:

Um bom exemplo de como transformar dados em informação de forma efetiva é dado no livro storytelling com dados, que é a referência principal na escrita deste artigo. No exemplo a seguir, a ideia é mostrar como um programa piloto realizado com uma turma de alunos influenciou em como eles se sentiam em relação as ciências. Uma primeira visualização trás dois gráficos que refletem os dados obtidos.

visualizacao de dados resultado da avaliacao programa de verao sobre ciencias

Nestes gráficos temos todas as informações exibidas, no entanto é um gráfico que gasta tempo para ser interpretado, além de uma má escolha para comparar o antes e depois. Em seguida são propostas sugestões que tem como objetivo tornar uma exibição de dados em uma comunicação de informação. a ideia era mostrar que o programa foi bem sucedido, e que causou o aumento do interesse dos alunos. Uma das sugestões do livro é mostrada a seguir:

O programa-piloto foi um sucesso

O gráfico acima já no título, chama a atenção para a informação a ser mostrada, de que o programa foi um sucesso. No decorrer do gráfico, as cores foram utilizadas estrategicamente, em conjunto com textos que ajudam no entendimento do gráfico, fazendo com que a informação a ser passada esteja clara e fácil de entender.

Conclusão

Além das dicas aqui apresentadas existem mais diversas práticas que ajudam nesse processo. Felizmente já temos muitas visualizações construídas para diversos contextos, portanto se tiver dúvidas sobre qual visual usar ou sugestões é fácil encontrar na internet casos parecidos com bons exemplos de visualização. Um bom site para obter estes exemplos é o site Information Is Beautiful, que traz diversos exemplos de visualizações para diversos cenários.

Um último ponto que gostaria de lembrar é que por mais que passamos tanto tempo falando dos dados e da importância deles, nós trabalhamos com pessoas e para pessoas. Os dados são uma ferramenta importantíssima nesse processo, portanto tenha sempre isso em mente na hora de criar suas visualizações, pense em quais pessoas aquele dado irá afetar, como as pessoas irão receber aquela informação e como ela será usada.

Por: Amanda Xavier

Preencha seus dados para receber nossa newsletter!

Ficou com dúvidas?

contato@dtidigital.com.br
R. Antônio de Albuquerque, 330 – 14° andar
Savassi, Belo Horizonte – MG, 30112-010

Cuidado

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para analisar sua experiência no site e personalizar conteúdos e anúncios durante sua navegação. Ao navegar pelo site, você autoriza a DTI Digital a realizar tal monitoramento. Conheça nossa Política de Privacidade.

you are being redirected to a page in portuguese, do you want to continue?