Saiba tudo sobre cultura ágil pelos experts da dti.

Ouça e acompanhe nas plataformas abaixo.

SoundCloud
Spotify
iTunes
José  Augusto  Sousa:  Olá,  eu  sou  José  Augusto.  Estou  como  EAD  de tecnologia da Tecnisa, uma das maiores incorporadoras e consultoras do Brasil. Hoje eu venho aqui dividir com vocês a experiência que nós tivemos com a adoção de métodos ágeis, junto aos times de negócio. Iniciando com a criação de uma equipe multidisciplinar e multifuncional, que teve como primeiro desafio, rever o modelo e o ambiente de trabalho da companhia. Estávamos vivendo aquele momento de pandemia e nós percebemos que era necessário rever esse modelo, uma vez que nós já vínhamos trabalhando de uma forma um pouco mais colaborativa, utilizando ferramentas, tecnologias novas, percebemos que era o grande momento de nós promovermos uma grande mudança cultural e de (mindset) [00:00:44] nos colaboradores. Essa equipe, no primeiro momento, foi formada por colaboradores do RH, compras, facilit, da área financeira, do time de estande de vendas, dos nossos PDVS, do time de tecnologia. Depois de algumas semanas, nós apresentamos primeiro para o time executivo, depois para toda a companhia, a nossa proposta de organização dentro do escritório. Eliminamos mesas de diretoria, eliminamos as posições fixas dentro do escritório, criamos ambientes colaborativos, adotamos o modelo de home Office definitivo, tudo isso visando uma grande mudança cultural. O bacana é que, no primeiro momento nós tivemos ainda um pouquinho de resistência, até gosto de pegar um gancho no livro que eu li há pouco tempo, que são As Cartas de Bezos, do Steve Anderson, que fala um pouquinho sobre o processo de tomada de decisão dentro da Amazon, que eu acho que foi um pouco do que nós utilizamos aqui dentro da companhia. Lá eles falam que existem dois tipos de mudança, a mudança do tipo um e do tipo dois. A do tipo um são aquelas mudanças que são irreversíveis, que normalmente, quando você toma essa decisão, você tem uma dificuldade muito grande de voltar atrás, se é que é possível voltar atrás. Você tem a do tipo dois, que são 90 por cento das decisões que nós tomamos normalmente dentro do mundo corporativo, são aquelas mudanças que você pode tomar e, caso não dê certo, você volta para trás. Isso foi um pouco do que nós propusemos dentro desse trabalho que nós tivemos para rever o método de trabalho da empresa, e a proposta é justamente essa. Pessoal, vamos experimentar, vamos testar, vamos ver se vai dar certo. Se não der certo, para voltar atrás é muito simples. É muito simples nós revisitarmos novamente o modelo de trabalho, rever como nós nos organizamos. A grande lição que eu tiro disso é: experimentem, pessoal. Usem, testem, experimentem novos métodos, experimentem novas formas de organização. Sempre existirão barreiras, quando falamos de mudanças. Por isso é importante, no primeiro momento, nós deixarmos as pessoas confortáveis, entenderem que é um processo que pode ser revisto. Se não der certo, nós podemos voltar atrás. Acho que essa é a grande lição que tiramos. Todos os dias estamos trabalhando com novas screeds, novas equipes multidisciplinares, novos desafios, fazendo com que as pessoas resolvam problemas mais complexos, com equipes que são completas e que conseguem se ajudar a entregar um resultado positivo. Eu acho que essa é a grande lição que fica e o mais importante: não limitem métodos ágeis apenas a times de tecnologia, marketing, é importante disseminar a cultura para toda a companhia. A grande mudança cultural, mudança de (inint) [00:03:30] das pessoas, que precisam entender que hoje, precisamos trabalhar de formas diferentes, para entregar diferentes resultados. Acho que essa é a dica que eu deixo. Grande abraço para todos, até mais.
: :
os agilistas

Enzimas #71 Adaptação, Mudança e Agilidade – Jose Augusto

Ficou com dúvidas?

contato@dtidigital.com.br
R. Antônio de Albuquerque, 330 – 14° andar
Savassi, Belo Horizonte – MG, 30112-010