arquiteto de software
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin

Arquiteto de software: como esse profissional atua?

Essa é uma pergunta muito interessante. O que um arquiteto de software faz?  

Muitas dúvidas sobre arquiteto de software (ou arquitetura de software) surgem ao longo dos anos. Existe um não entendimento que diz que a evolução de uma carreira técnica é júnior->Pleno->Sênior->Arquiteto. Tal raciocínio demonstra uma mistura do papel de um arquiteto para um desenvolvedor. Traçar essa diferença não é impossível, mas os desdobramentos do que é a responsabilidade de um arquiteto ou não pode gerar um bom debate. 

A primeira coisa que precisamos trabalhar é questão semântica. Arquiteto é um nome muito ruim. Primeiro que por trás deste nome existe uma pompa que enche o ego do profissional com um título chamativo. Segunda questão é que, hoje em dia, ele é atribuído a tantas coisas que se tornou quase uma entidade do desenvolvimento de software. Martin Fowler em seu famoso artigo, Who Needs an Architect, diz que “O motivo de seu título esquizofrênico é o fato de que, mesmo para os padrões de nossa indústria, “arquiteto” e “arquitetura” são palavras terrivelmente sobrecarregadas”. 

O que é arquiteto de software

Onde o arquiteto de software trabalha?

Um arquiteto trabalha no desenho de sistemas e o que muda, em comparação ao desenvolvedor é o nível de abstração. Enquanto um desenvolvedor está preocupado na melhor forma de nomear as funções e no desenho do fluxo de “ifs” mais otimizado um arquiteto de sistema pode estar preocupado com a escolha da linguagem ou framework, ou a estruturação das camadas. E temos diferentes níveis de abstração: um arquiteto corporativo, por exemplo, tem o dever de olhar para o todo, integrações entre sistemas e mais importante que isso integrações entre times, entre pessoas. 

E repito aqui: entre pessoas. Esse é um grande diferencial. No momento que subimos o grau de abstração trabalhamos mais com objetivos coordenados pensando no todo do que em detalhes de implementação. E nesse momento soma-se às habilidades técnicas habilidades de negociação, estratégia e planejamento. Kevin Hickey faz uma analogia perfeita ao descrever o papel do arquiteto corporativo: sua função é de construir pontes entre os times para permitir a criação de novas ideias, sem abandonar a qualidade. 

arquiteto de software

 

Arquitetura de software e o valor da entrega

Além do fator humano, existe uma necessidade constante de lembrar o porquê fazemos software. Existe uma proposição de valor por trás de toda entrega. E essa proposição de valor em geral não é um complexo arcabouço de micros serviços usando uma mensageria em Kafka para atualizar em tempo real banco de dados baseados em stream, ou qualquer outra arquitetura complexa e, muitas vezes, obtusa. Linus Torvalds, que dispensa qualquer apresentação, em uma entrevista, afirmou que todo programa é tão bom quanto é útil. 

O que é arquiteto de software

Ou seja, por mais que tenhamos uma arquitetura, resiliente, segura, robusta, se ela for inútil de nada vale. O bom arquiteto precisa, hoje, mais do nunca, de menos ego e mais simplicidade nas soluções, além de reforçar e aprimorar a maestria técnica de maneira contínua. 

Se você tem interesse em fazer parte de um time que fomenta o aprendizado e, acima de tudo, apresenta oportunidade para arquitetura de software, confira nossa página de vagas. Nela, você se cadastra na oportunidade que mais se encaixa no seu perfil profissional. Te esperamos lá!

Preencha seus dados para receber nossa newsletter!

Ficou com dúvidas?

contato@dtidigital.com.br
R. Antônio de Albuquerque, 330 – 14° andar
Savassi, Belo Horizonte – MG, 30112-010

Cuidado

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias semelhantes para analisar sua experiência no site e personalizar conteúdos e anúncios durante sua navegação. Ao navegar pelo site, você autoriza a DTI Digital a realizar tal monitoramento. Conheça nossa Política de Privacidade.

You will be redirected to spotify